terça-feira, 8 de maio de 2007

08 DE MAIO: DIA DOS TIROS

Hoje é um dia muito especial pra mim. É o dia em que comemoro a minha morte! Isso mesmo, faz quatro anos que eu morri... Calma, meu caro leitor, este post não está sendo psicografado.
Exatamente por estar aqui podendo contar minha história é que considero o 08 de maio um dos dias mais especiais da minha vida. Num dia como esse, uma quinta-feira à noite em São Paulo, próximo à estação de metrô Marechal Deodoro eu levei três tiros numa tentativa de assalto (tenho um texto descrevendo o acontecido e assim que conseguir encontrá-lo postarei por aqui). Um dos tiros foi a queima-roupa e acertou minha veia cava inferior. Esta veia é uma espécie de fusão entre várias veias da perna em uma só. Geralmente a pessoa que tem uma lesão nesta veia morre em 5-10 min. Eu não...
Foram 20 dias de coma, 7 cirurgias e aproximadamente 2% de chance de sobrevivência, e mais 33 dias conscientes numa UTI. Depois desse período tive que re-aprender a falar, comer, andar, ir ao banheiro e outras pequenas cositas más.
Deus, minha família, os profissionais da Santa Casa em São Paulo e meus amigos (e até figuras anônimas) foram fundamentais neste momento.
Hoje eu aproveito a oportunidade para celebrar a vida! Cada segundo que Deus me deu após o 08 de maio de 2003. Cada conta que paguei, cada declaração do IR, cada momento com meus pais, meu casamento, meus amigos, minha turma de MBA. Obrigado meu Deus por tudo isso e obrigado aos que fizeram parte desta história. Em especial agradeço ao Humberto que chamou a polícia e foi comigo ao hospital (foi ele quem deu a notícia ao meu pai). Obrigado à K e ao Gaúcho e suas famílias. Obrigado ao Dr. André, sua equipe e a equipe de enfermagem da Santa Casa/HSI de São Paulo. Obrigado ao pessoal da Santiago & Cintra por terem feito literalmente muito mais do que poderia se esperar. Obrigado a todos os outros que dedicaram parte do seu tempo em visitas e orações. Que Deus os retribua e se precisarem de alguma coisa não me neguem a oportunidade de ajudá-los.

Obrigado.

2 comentários:

carla disse...

Teco, não temos nada para falar, apenas que este acontecimento revelou que somos mais do q amigos, somos irmãos... e q tenhamos uma vida longa pela frente... abraços, Gaúcho e K.

Elerson disse...

Obrigado pela visita, aliás, por essa e por aquelas. Como era bom quando você ia lá. Pro Gaúcho não ficar ciúmes, as visitas dele e dos pais dele são inesquecíveis... Você está certa, somos irmãos. Beijos.